Posts

Em 2017, Anne Wilians tinha um sonho: gerar impacto social positivo a partir da sua atuação profissional. Para viabilizar esse sonho ela fundou o Instituto Nelson Wilians (INW) – organização social atrelada ao escritório de advocacia do seu marido, Nelson Wilians Advogados, um dos maiores do país.

O foco principal do instituto era apoiar com capital financeiro próprio organizações sociais ligadas a educação e direito que atendessem jovens ou mulheres. Também se destinaria a organizar ações de voluntariado da empresa, incluindo assistência jurídica gratuita para ONGs.

Com o tempo, Anne percebeu que poderia tornar seu modelo de atuação mais eficiente: “Ao longo do processo de gestão do INW, percebi que precisava de mais ferramentas. Sentia que poderia otimizar o trabalho. Com o recurso financeiro da empresa, poderia gerar mais impacto social positivo. Mas como? Eu não sabia”.

Foi nesse momento que Anne chegou na Norte. Ela contratou uma consultoria para reestruturar seu instituto empresarial, com foco na reestruturação do processo de doação.

O diagnóstico inicial da consultoria foi que o INW estava gastando uma grande quantidade de tempo e de recursos financeiros com projetos próprios: “A primeira coisa que o Marcos nos mostrou é que seria muito mais fácil entregar o recurso financeiro para uma organização parceira ao invés de criarmos iniciativas gerenciadas pelo próprio instituto”.

A partir deste diagnóstico, teve início a construção do processo de doação. O formato escolhido foi o de edital, ou seja, uma chamada pública com diretrizes pré-definidas para que projetos interessados concorressem aos valores ofertados.

Assim, em janeiro de 2020, foi lançado o 1º edital do Instituto Nelson Wilians – processo que despertava algum receio em Anne: “O INW nunca tinha trabalhado com edital antes. Quando o Marcos trouxe a proposta e quando o edital começou a ser executado fiquei insegura. Era um passo de muita exposição. Teríamos um bom número de inscritos? Seríamos questionados por algum critério?”

Mas o resultado foi excelente: “O Marcos foi nos acalmando e dando segurança para o processo. Ele já tinha muita experiência no assunto e sabia o que ia acontecer em cada passo. No fim, o edital foi um grande sucesso e adotamos este como processo permanente de doação para os próximos anos. Vamos adotar, inclusive, para a escolha de ONGs que receberão assessoria jurídica gratuita do escritório”.

Após o término do edital, a execução das propostas aprovadas foi impactada pela pandemia, questão que o INW está ajustando no seu calendário.

Perguntada se recomendaria a consultoria da Norte, Anne completa: “Sem dúvida. Não apenas recomendaria como já recomendei. Além de ter ampla experiência e aportar inteligência no instituto, o Marcos ainda trouxe junto a rede de contatos. Ele conhece muita gente no terceiro setor e colocou isso à disposição do projeto. Outro detalhe que fez toda diferença é que mesmo após a entrega final ele se manteve super acessível e até hoje nos ajuda quando temos alguma questão específica!”

A estruturação e reestruturação de institutos e fundações é um dos produtos da Norte. Quer conhecer melhor? Clica aqui e dá uma olhada na nossa página de consultoria!

Você já fez um planejamento de captação de recursos para sua organização social?

A resposta da Beatriz Martins a essa pergunta, até 2020, era “Não”.

Bia, como é mais conhecida, iniciou as atividades do Olhar de Bia em 2006, quando tinha apenas 6 anos (sim, você leu certo!).

Desde lá, a vida dessa moradora de Guarulhos (SP) foi bem animada – para dizer o mínimo. Com 8 anos ela foi convidada a ser deputada federal Mirim em Brasília. Com 14, foi a vencedora da Categoria Agente Transforma do Meus Prêmios Nick, da Nickelodeon, com 240.000 votos populares. Em 2016, carregou a tocha olímpica.

Em paralelo, o Olhar de Bia foi se estruturando. Formalizou-se em 2013, expandiu as oficinas de arte, cultura e capacitação profissional e conquistou o respeito e aprovação na sua cidade. Mas, segundo Bia, faltava um detalhe:

“O Olhar de Bia sempre teve muita visibilidade, com matérias e prêmios. Mas isso não gerou retorno financeiro. Sabíamos que nossa sustentabilidade viria de pessoas físicas e de pessoas jurídicas. Mas na hora de captar a coisa não acontecia, não andava. A gente não sabia como resolver isso. Como chegar? Como pedir? Qual a forma? Faltava expertise”.

Em 2020 a Bia conheceu a Norte. Segundo ela, a primeira conversa já mudou sua perspectiva:

“Na primeira vez que conversamos com a Norte já notei que era hora de unir o amor que tínhamos pela causa a uma parte técnica. Havia uma forma melhor de fazer as coisas, e a Norte poderia nos indicar este caminho. Precisávamos aprender com quem já fazia havia muito tempo”.

Depois desta primeira conversa, a Bia contratou a Norte para elaborar em conjunto o planejamento da captação de recursos do Olhar de Bia.

Para ela, o início já foi surpreendente:

“Vocês têm muito conhecimento prático, mas se preocuparam em primeiro lugar em entender a nossa realidade. Tiveram a sensibilidade em fazer, antes de qualquer coisa, uma imersão”.

O dia da oficina de elaboração do planejamento também foi uma surpresa:

“A oficina ocorreria durante 8 horas em um sábado. Sinceramente, achei que seria mais do mesmo, aquela conversa de sempre sobre captação de recursos… e que fosse demorar muito. Mas não. Nada disso aconteceu. A hora passou voando e nosso horizonte se abriu de uma forma até difícil de explicar. Depois, se tornou muito simples captar. Mudamos a cultura que nós tínhamos. Deixamos de achar que captar é difícil, que as pessoas não querem doar. Dava para ser diferente”.

Os resultados apareceram logo:

“A primeira reunião depois do planejamento já foi totalmente diferente. Fechamos com uma empresa parceira. Nos últimos meses também desenvolvemos nosso programa de doadores recorrentes. Estamos seguindo o que foi planejado e já estamos colhendo frutos”.  

Quando perguntada se recomendaria o planejamento de captação de recursos da Norte para outras organizações, Bia foi enfática:

“Sim! Sem dúvida! A Norte mescla muito bem um lado mais pragmático de meta e plano de ação com o amor e a sensibilidade pela causa. Hoje minha referência são vocês e os seus conteúdos”.

O planejamento da captação de recursos é um processo bem prático dividido em 3 partes: imersão na organização, realização de oficina de revisão do planejamento.

O objetivo é que a organização finalize o processo com um plano para executar de forma prática sua captação de recursos. A ONG precisa disponibilizar, aproximadamente, 4 horas para preparação, 8 horas para realização de oficina e 2 horas para revisão do planejamento.

Se interessou? Clique aqui e peça um orçamento!

Vamos adorar estar ao seu lado nesta jornada 😊