Você já fez um planejamento de captação de recursos para sua organização social?

A resposta da Beatriz Martins a essa pergunta, até 2020, era “Não”.

Bia, como é mais conhecida, iniciou as atividades do Olhar de Bia em 2006, quando tinha apenas 6 anos (sim, você leu certo!).

Desde lá, a vida dessa moradora de Guarulhos (SP) foi bem animada – para dizer o mínimo. Com 8 anos ela foi convidada a ser deputada federal Mirim em Brasília. Com 14, foi a vencedora da Categoria Agente Transforma do Meus Prêmios Nick, da Nickelodeon, com 240.000 votos populares. Em 2016, carregou a tocha olímpica.

Em paralelo, o Olhar de Bia foi se estruturando. Formalizou-se em 2013, expandiu as oficinas de arte, cultura e capacitação profissional e conquistou o respeito e aprovação na sua cidade. Mas, segundo Bia, faltava um detalhe:

“O Olhar de Bia sempre teve muita visibilidade, com matérias e prêmios. Mas isso não gerou retorno financeiro. Sabíamos que nossa sustentabilidade viria de pessoas físicas e de pessoas jurídicas. Mas na hora de captar a coisa não acontecia, não andava. A gente não sabia como resolver isso. Como chegar? Como pedir? Qual a forma? Faltava expertise”.

Em 2020 a Bia conheceu a Norte. Segundo ela, a primeira conversa já mudou sua perspectiva:

“Na primeira vez que conversamos com a Norte já notei que era hora de unir o amor que tínhamos pela causa a uma parte técnica. Havia uma forma melhor de fazer as coisas, e a Norte poderia nos indicar este caminho. Precisávamos aprender com quem já fazia havia muito tempo”.

Depois desta primeira conversa, a Bia contratou a Norte para elaborar em conjunto o planejamento da captação de recursos do Olhar de Bia.

Para ela, o início já foi surpreendente:

“Vocês têm muito conhecimento prático, mas se preocuparam em primeiro lugar em entender a nossa realidade. Tiveram a sensibilidade em fazer, antes de qualquer coisa, uma imersão”.

O dia da oficina de elaboração do planejamento também foi uma surpresa:

“A oficina ocorreria durante 8 horas em um sábado. Sinceramente, achei que seria mais do mesmo, aquela conversa de sempre sobre captação de recursos… e que fosse demorar muito. Mas não. Nada disso aconteceu. A hora passou voando e nosso horizonte se abriu de uma forma até difícil de explicar. Depois, se tornou muito simples captar. Mudamos a cultura que nós tínhamos. Deixamos de achar que captar é difícil, que as pessoas não querem doar. Dava para ser diferente”.

Os resultados apareceram logo:

“A primeira reunião depois do planejamento já foi totalmente diferente. Fechamos com uma empresa parceira. Nos últimos meses também desenvolvemos nosso programa de doadores recorrentes. Estamos seguindo o que foi planejado e já estamos colhendo frutos”.  

Quando perguntada se recomendaria o planejamento de captação de recursos da Norte para outras organizações, Bia foi enfática:

“Sim! Sem dúvida! A Norte mescla muito bem um lado mais pragmático de meta e plano de ação com o amor e a sensibilidade pela causa. Hoje minha referência são vocês e os seus conteúdos”.

O planejamento da captação de recursos é um processo bem prático dividido em 3 partes: imersão na organização, realização de oficina de revisão do planejamento.

O objetivo é que a organização finalize o processo com um plano para executar de forma prática sua captação de recursos. A ONG precisa disponibilizar, aproximadamente, 4 horas para preparação, 8 horas para realização de oficina e 2 horas para revisão do planejamento.

Se interessou? Clique aqui e peça um orçamento!

Vamos adorar estar ao seu lado nesta jornada 😊

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer se juntar a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *